rss parque aventurastwitter parque aventurasfacebook parque aventuras

Archive for julho 2011

Pacotes Promocionais

Confira abaixo a lista dos pacotes promocionais que estamos oferecendo no momento:
(clique no pacote desejado para visualizar mais detalhes)

 

Feriado da Proclamação da República – 15 de Novembro

15novembropetar

Pacotes Avançados

Tendo em vista o perfil dos nossos clientes montamos algumas opções de pacotes para que você possa conhecer a nossa região.

Os Pacotes Avançados são indicados para pessoas que já conhecem a região e possuem um bom condicionamento físico.

Em todas as nossas atividades implantamos um Sistema de Gestão da Segurança com base na Norma Técnica ABNT NBR 15.331, com produtos Certificados pela ABNT – INMETRO.

 

Será de grande importância que você faça uma auto avaliação e escolha o roteiro que seja mais compatível com sua capacidade física. Mesmo assim você será avaliado pela nossa equipe de Condutores em nossa apresentação.

Não deixe de baixar o nosso PDF com orientações sobre o que levar entre outras informações essenciais para que você faça uma viagem segura e tranquila.
CLIQUE AQUI e baixe o PDF de orientações do Parque de Aventuras.

 

:: PACOTES AVANÇADOS ::

PACOTE AVANÇADO 1
(1 DIA DE ATIVIDADES):

    • Portal da Caverna Casa de Pedra (215 metros de altura – maior boca de caverna do mundo)

PACOTE AVANÇADO 2
(2 DIAS DE ATIVIDADES):

1º DIA:

    • Caverna Tememina

2º DIA:

    • Caverna do Ouro Grosso e Boia Cross Nível 2

OBSERVAÇÃO:

A realização das atividades poderá sofrer alterações de acordo com a capacidade de carga das cavernas, condições climáticas e físicas do participante.

INCLUSOS E NÃO INCLUSOS:

INCLUSOS::

    • UM monitor local à cada 06 pessoas – Condutores Qualificados e Especializados em Espeleoturismo
    • Ingressos para Entrada no PETAR
    • Capacetes Simples ou Com Lanternas e Baterias
    • Boia Cross com Equipamentos de Segurança
    • Seguro Atividade – cobertura de Despesas Médicas, Morte e Invalidez

NÃO INCLUSOS::

    • Hospedagem e alimentação
      (podemos auxiliá-lo na contratação – temos pousadas parceiras)
    • Transporte ou traslado até os passeios
      (pode ser contratado à parte)
:: CLASSIFICAÇÃO ::
Classificação de Percurso Geral
das Atividades:
Percurso classificado conforme referência
da ABNT NBR 15505-2
Atividade: Espeleoturismo, Boia Cross, caminhada
em trilhas e em ambiente de caverna.
Trajeto: Indeterminado
Desníveis de subidas: 200 m
Desníveis de descidas: 30 m
Tempo máximo do
percurso em trilhas:
7 km de caminhada (ida e volta).
Condições específicas: 1. As trilhas de acesso à caverna está dentro do
núcleo Santana e Ouro Grosso do PETAR.2. Na primavera/verão muita umidade e calor.
Ventos e neblina característicos de serra por todo o ano.

3. No outono/inverno menos umidade, tempo
mais firme para práticas de caminhada.

Severidade do meio: Orientação no percurso: Condições do terreno: Intensidade de esforço físico:

4

4

4

4

 

:: INFORMAÇÕES GERAIS ::
Itens Obrigatórios que você traga na viagem: Calça comprida, camiseta com manga média, tênis fechado ou bota de cano alto e agasalho.
Condicionamento físico necessário: A caminhada requer um esforço físico alto, podendo ser adequada à necessidade do participante, indo até um outro atrativo. Algumas perguntas sobre limitações e atividades físicas realizadas pelos participantes, serão feitas no formulário de inscrição e, caso necessário, entraremos em contato para que possamos indicar qual a melhor opção de pacote.
Restrições médicas: Qualquer fator limitante para a realização da atividade, tais como: diabetes, cirurgia recente, gravidez, ou outro fator limitante, deve ser indicado no formulário de inscrição, deverá ser acompanhado de atestado médico liberando o participante para a realização da atividade.

Pacotes Intermediários

Tendo em vista o perfil dos nossos clientes montamos algumas opções de pacotes para que você possa conhecer a nossa região.

Os Pacotes Intermediários são indicados para pessoas que já conhecem a região ou para aqueles que fazem atividades físicas como caminhadas.

Em todas as nossas atividades implantamos um Sistema de Gestão da Segurança com base na Norma Técnica ABNT NBR 15.331, com produtos Certificados pela ABNT – INMETRO.

Será de grande importância que você faça uma auto avaliação e escolha o roteiro que seja mais compatível com sua capacidade física.

Não deixe de baixar o nosso PDF com orientações sobre o que levar entre outras informações essenciais para que você faça uma viagem segura e tranquila.
CLIQUE AQUI e baixe o PDF de orientações do Parque de Aventuras.

 

:: PACOTES INTERMEDIÁRIOS ::

PACOTE INTERMEDIÁRIO 1
(1 DIA DE ATIVIDADES):

    • Trilha do Rio Betari
    • Caverna da Água Suja
    • Caverna do Cafezal
    • Cachoeira das Andorinhas e Cachoeira do Betarizinho

PACOTE INTERMEDIÁRIO 2
(2 DIAS DE ATIVIDADES):

1º DIA:

    • Trilha do Rio Betari
    • Caverna da Água Suja
    • Caverna do Cafezal
    • Cachoeira das Andorinhas e Cachoeira do Betarizinho

2º DIA:

    • Caverna do Ouro Grosso
    • Boia Cross Nível 1

 

OBSERVAÇÃO:

A realização das atividades poderá sofrer alterações de acordo com a capacidade de carga das cavernas, condições climáticas e físicas do participante.

INCLUSOS E NÃO INCLUSOS:

INCLUSOS::

    • UM monitor local à cada 08 pessoas – Condutores Qualificados e Especializados em Espeleoturismo
    • Ingressos para Entrada no PETAR
    • Capacetes Simples ou Com Lanternas e Baterias
    • Boia Cross com Equipamentos de Segurança
    • Seguro Atividade – cobertura de Despesas Médicas, Morte e Invalidez

NÃO INCLUSOS::

    • Hospedagem e alimentação
      (podemos auxiliá-lo na contratação – temos pousadas parceiras)
    • Transporte ou traslado até os passeios
      (pode ser contratado à parte)
:: CLASSIFICAÇÃO ::
Classificação de Percurso Geral
das Atividades:
Percurso classificado conforme referência
da ABNT NBR 15505-2
Atividade: Espeleoturismo, Boia Cross, caminhada
em trilhas e em ambiente de caverna.
Trajeto: Indeterminado
Desníveis de subidas: 80 m
Desníveis de descidas: 10 m
Tempo máximo do
percurso em trilhas:
7 km de caminhada (ida e volta).
Condições específicas: 1. As trilhas de acesso à caverna estão dentro do
núcleo Santana e Ouro Grosso do PETAR.2. Na primavera/verão muita umidade e calor.
Ventos e neblina característicos de serra por todo o ano.

3. No outono/inverno menos umidade, tempo
mais firme para práticas de caminhada.

Severidade do meio: Orientação no percurso: Condições do terreno: Intensidade de esforço físico:

2

3

3

2

 

:: INFORMAÇÕES GERAIS ::
Itens Obrigatórios que você traga na viagem: Calça comprida, camiseta com manga média, tênis fechado e agasalho.
Condicionamento físico necessário: A caminhada requer um esforço físico médio, podendo ser adequada à necessidade do participante, indo até um outro atrativo. Algumas perguntas sobre limitações e atividades físicas realizadas pelos participantes, serão feitas no formulário de inscrição e, caso necessário, entraremos em contato para que possamos indicar qual a melhor opção de pacote.
Restrições médicas: Qualquer fator limitante para a realização da atividade, tais como: diabetes, cirurgia recente, gravidez, ou outro fator limitante, deve ser indicado no formulário de inscrição, deverá ser acompanhado de atestado médico liberando o participante para a realização da atividade.

Pacotes Básicos

Tendo em vista o perfil dos nossos clientes montamos algumas opções de pacotes para que você possa conhecer a nossa região.

Os Pacotes Básicos são indicados para iniciantes ou para aqueles que não tiveram ainda a oportunidade de conhecer uma caverna ou de vir ao PETAR.

Em todas as nossas atividades implantamos um Sistema de Gestão da Segurança com base na Norma Técnica ABNT NBR 15.331, com produtos Certificados pela ABNT – INMETRO.

Será de grande importância uma auto avaliação e escolha o roteiro que seja mais compatível com sua capacidade física.

Não deixe de baixar o nosso PDF com orientações sobre o que levar, entre outras informações essenciais para que você faça uma viagem segura e tranquila.
CLIQUE AQUI e baixe o PDF de orientações da Parque Aventuras.

 

:: PACOTES BÁSICOS (INICIANTES) ::

 

PACOTE BÁSICO 1
(1 DIA DE ATIVIDADES):

OPÇÃO 1:

    • Caverna de Santana
    • Caverna do Morro Preto
    • Cachoeira do Couto
    • Caverna do Couto
    • Piscina Natural

OPÇÃO 2:

    • Caverna do Alambari de Baixo
    • Caverna do Ouro Grosso
    • Cachoeiras do Sem Fim

PACOTE BÁSICO 2
(2 DIAS DE ATIVIDADES):

1º DIA:

    • Caverna de Santana
    • Caverna da Água Suja
    • Cachoeira do Couto

2º DIA:

    • Caverna do Alambari de Baixo
    • Boia Cross no Rio Betari

OBSERVAÇÃO:

A realização das atividades poderá sofrer alterações de acordo com a capacidade de carga das cavernas, condições climáticas e físicas do participante.

INCLUSOS E NÃO INCLUSOS:


INCLUSOS::

    • UM monitor local à cada 08 pessoas – Condutores Qualificados e Especializados em Espeleoturismo
    • Ingressos para Entrada no PETAR
    • Capacetes Simples ou Com Lanternas e Baterias
    • Boia Cross com Equipamentos de Segurança
    • Seguro Atividade – cobertura de Despesas Médicas, Morte e Invalidez

NÃO ICLUSOS::

    • Hospedagem e alimentação (podemos auxiliá-lo na contratação – temos pousadas parceiras)
    • Transporte ou traslado até os passeios (pode ser contratado à parte – consulte nossos valores)
:: CLASSIFICAÇÃO ::
Classificação de Percurso Geral
das Atividades:
Percurso classificado conforme referência
da ABNT NBR 15505-2
Atividade: Espeleoturismo, caminhada em trilhas
e em ambiente de caverna.
Trajeto: Indeterminado
Desníveis de subidas: 150 m
Desníveis de descidas: 10 m
Tempo máximo do
percurso em trilhas:
4 km de caminhada (ida e volta).
Condições específicas: 1. As trilhas de acesso à caverna estão dentro do
Núcleo Santana e Ouro Grosso do PETAR. 2. Na primavera/verão muita umidade e calor. Ventos e neblina característicos de serra por todo o ano.3. No outono/inverno menos umidade, tempo
mais firme para práticas de caminhada.
Severidade do meio: Orientação no percurso: Condições do terreno: Intensidade de esforço físico:

1

2

3

2

 

:: INFORMAÇÕES GERAIS ::
Itens Obrigatórios para trazer na viagem: Calça comprida, camiseta com manga média, tênis fechado e agasalho.
Condicionamento físico necessário: A caminhada requer um esforço físico médio, podendo ser adequada à necessidade do participante, indo até um outro atrativo. Algumas perguntas sobre limitações e atividades físicas realizadas pelos participantes, serão feitas no formulário de inscrição e, caso necessário, entraremos em contato para que possamos indicar qual a melhor opção de pacote.
Restrições médicas: Qualquer fator limitante para a realização da atividade, tais como: diabetes, cirurgia recente, gravidez, ou outro fator limitante, deve ser indicado no formulário de inscrição, deverá ser acompanhado de atestado médico liberando o participante para a realização da atividade.

PETAR

“Rico pelas belezas das suas matas, cavernas,
cachoeiras e pela receptividade da sua gente!”

O PETAR

O PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira) é a Unidade de Conservação com a maior concentração de cavernas do Brasil (cerca de 350 mapeadas) e faz parte de um importante ‘continuum ecológico’. É conhecido também com o Parque das Cavernas.

Não só de cavernas é composto o PETAR, mas também de inúmeras cachoeiras, trilhas, comunidades tradicionais e quilombolas, sítios arqueológicos, paleontológicos e culturais É realmente um verdadeiro paraíso escondido entre vales e montanhas na maior porção de Mata Atlântica preservada do Brasil.

Possuí 35 mil hectares e está localizado entre os municípios de Apiaí e Iporanga. Cidades que estão ao sul do Estado de SP, entre as capitais de São Paulo e Curitiba.

A variedade de esportes de aventura possíveis de se praticar na região é muito grande: rapeis com mais de 130 metros de altura, boia cross nas águas cristalinas do Rio Betari, cascading (rapel em cachoeiras), escaladas dentro de cavernas e trekking são alguns exemplos.
As cavernas do PETAR oferecem vários níveis de desafios. Há opções para todos os gostos: cavernas com água, com escaladas e cavernas com escadas e passarelas, para facilitar os acessos dos visitantes de primeira viagem.

Todo passeio no PETAR deve ser feito sempre acompanhado por um monitor local seguindo regras específicas de cada caverna.

OS NÚCLEOS DE VISITAÇÃO

O PETAR possuí quatro núcleos de visitação que estão estrategicamente localizados e auxiliam não só como bases de fiscalização mais também do controle do fluxo de visitantes.

Conheça um pouco mais dos Núcleos:

Núcleo de Santana:

É o mais visitado do PETAR e onde estão algumas das principais cavernas, como a Caverna de Santana, a Caverna do Morro Preto e a Caverna da Água Suja, além de cachoeiras magníficas: Cachoeira das Andorinhas com Betarizinho e Cachoeira do Couto. Está localizado próximo ao Bairro da Serra (Iporanga) e do Núcleo Ouro Grosso, onde ficam a maioria das pousadas e campings.

Núcleo Caboclos:

É um núcleo mais isolado do restante do PETAR. Nele estão as Cavernas da Temenina e Desmoronada. Todas exóticas e magníficas. O acesso a essas cavernas não são tão fáceis. Único núcleo a possuir área para camping (dentro do parque). Somente a Caverna da Temenina e do Complexo Aranhas / Chapéu estão abertas a visitação.

 

 

Núcleo Casa de Pedra:

Nesse núcleo está a Caverna Casa de Pedra, caverna com o maior pórtico do mundo, cerca de 215 metros de altura. É permitido somente visitar o pórtico da mesma. A visita ao seu interior não permitida. Mas apenas a trilha e o visual do pórtico compensam qualquer esforço.

 

 

 

Núcleo Ouro Grosso:

Está localizado junto ao Bairro da Serra. Tem como principal atrativo a Caverna do Ouro Grosso, considerada por muitos a caverna mais difícil de fazer do PETAR. Nele também está a Caverna do Alambari de Baixo.

 

 

A Parque Aventuras está localizada junto aos Núcleos de Santana e Ouro Grosso,
mas oferecemos atividades em todos os Núcleos do PETAR.

HISTÓRICO

O PETAR também é rico em histórias com mais. 59 anos, desde a sua criação.

(Abaixo informações – trechos obtidas do Plano de Manejo
do PETAR – texto oficial – Fundação Florestal / SP).

Antecedentes Históricos à Criação do PETAR:

Podemos encontrar hoje alguns registros históricos de naturalistas que visitaram essa região do Vale do Ribeira já no início do século XX, onde todos revelam as belezas cênicas e a importância científica das cavernas da região.

Em 1906 o “Doutor Presidente do Estado de São Paulo”, Jorge Tibiriçá declara de utilidade pública as terras do Vale do Ribeira onde há grutas calcarias.
Em 1910 o Estado adquiriu a Gruta da Tapagem (atual Caverna do Diabo), bem como as grutas do Vale do Monjolinho, visando proteger as cavernas e o interesse turístico da região (Marinho, 2002).

Esta medida efetiva de proteção ao Patrimônio Espeleológico no Brasil configura o primeiro passo em direção à futura criação de um parque, mas somente na década de 1950 renasceu o efetivo interesse em proteger as cavernas e florestas nativas do Alto Ribeira.
Pode-se afirmar que a criação do PETAR nasceu do desejo e da obstinação de dois homens: o engenheiro Epitácio Passos Guimarães e o topógrafo Pedro Comério, ambos funcionários do Instituto Geográfico e Geológico (IGG), responsáveis por estudos de prospecção das minas de calcários. Encantados com a beleza da região, propagaram um movimento para que o Estado reconhecesse a importância da área.

Como resultado destas iniciativas, em19 de maio de 1958, o Decreto nº 32.283, do então Governador Jânio Quadros, materializou a criação do Parque Estadual do Alto do Ribeira (PEAR), cujo nome, posteriormente, foi alterado para PETAR.

Dos anos 1960 até a década de 1980, espeleólogos de diversos grupos realizaram uma vasta quantidade de trabalhos técnicos e de documentação do patrimônio espeleológico das regiões do Vale do Ribeira e Alto Paranapanema.
Em 1964, organizam o primeiro Congresso Nacional de Espeleologia na entrada da caverna Casa de Pedra; fundam a Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE) em 1969, que abraçou o objetivo de organizar as diretrizes da espeleologia nacional. Encabeçando um movimento de preservação das cavernas da região e levando à efetiva implantação do PETAR no início dos anos 1980. (Capítulo Histórico – Plano de Manejo do PETAR – 2010)


Em 1989 foram realizadas algumas “melhorias” no interior da Caverna de Santana, como a construção de pontes e passarelas e foi implantado um dos Núcleos de Visitação do PETAR, o Santana.

Os Srs. Joaquim Justino e Vandir de Andrade, moradores locais e respectivamente pais dos sócios proprietários da Parque Aventuras, Jurandir e Júnior, participaram arduamente de todo o processo de implantação do PETAR. Da demarcação à sua exploração e levantamento dos atrativos turísticos.

Venha conhecer um pouco dessa história com os nossos monitores.
Conheça o PETAR com quem nasceu e cresceu aqui!

Você pode conferir o Plano de Manejo do PETAR, completo, no site: www.petaronline.com.br

Quilombos

A presença de inúmeros sítios arqueológicos comprova que a ocupação humana na região do Vale do Ribeira, sul do Estado de SP é anterior à chegada dos Portugueses no século XVI. Essa região era utilizada como rota de passagem pelos ameríndios vindos do planalto para o litoral, bem antes das primeiras incursões dos europeus no Brasil. Os grupos indígenas no inverno desciam para o litoral para pescar. O povoamento na região se intensificou no século XVII, quando foi descoberto ouro e começaram a acontecer incursões de mineradores em algumas localidades (Cidades de Apiaí e Iporanga).
A mão-de-obra negra escrava foi introduzida no local para sua utilização na mineração, o que aconteceu principalmente na segunda metade do século passado.

Umas da primeiras cidades fundadas foi Iporanga, onde estamos localizados, em 1576, pelos bandeirantes em busca do ouro. No início do século XVIII, a atividade mineradora começou a decair e a atividade agrícola a aumentar, o que continuou a acontecer no século seguinte, quando foi introduzida a monocultura do arroz. No final do século XVIII já haviam dois núcleos grandes de povoamento na região: um em Cananéia e Iguape e outro em Xiririca (atual município de Eldorado). Em 1763, o povoado de Xiririca já tinha uma população de cerca de 600 habitantes.
No estado de São Paulo existem mais de 40 comunidades quilombolas. A maioria delas, cerca de 30, estão na região do Vale do Ribeira, distribuídas por diversos municípios, tais como Eldorado, Iporanga e Barra do Turvo. Outras comunidades estão localizadas no Litoral Norte, na região de Sorocaba e no município de Itapeva. Até maio de 2008, apenas cinco comunidades tinham recebido os títulos de suas terras pelo Governo do Estado de São Paulo: Ivaporunduva, São Pedro, Pedro Cubas, Pilões e Maria Rosa – Todas localizadas no Vale do Ribeira

A ocupação negra do Vale do Ribeira foi feita por ex-escravos fugidos ou libertos, principalmente ao longo do século XVIII. Os escravos fugitivos chegavam à região, se casavam com mulheres locais e se fixavam em terras próximas, tornando-se pequenos agricultores.

 

Durante os séculos XVIII e XIX, existiam na região do Vale do Ribeira negros livres, pequenos agricultores de suas próprias terras e negros escravos, trabalhando nas fazendas dos grandes senhores.

Com a abolição da escravatura, os antigos escravos também permaneceram na região, ocupando terras desvalorizadas com o fim da mineração ou formando comunidades em terras doadas pelos antigos senhores.
 

As atuais comunidades de remanescentes de quilombo do Vale do Ribeira têm sua origem nos negros que de diversas formas resistiram e alcançaram a condição de camponeses autônomos, constituindo grupos com cultura singular.

Algumas das principais comunidades quilombolas do Vale do Ribeira:

    • Comunidade de Quilombo de Bombas
    • Comunidade de Quilombo de Cangume
    • Comunidade de Quilombo de Galvão
    • Comunidade de Quilombo de Ivaporunduva
    • Comunidade de Quilombo de Mandira
    • Comunidade de Quilombo de Maria Rosa
    • Comunidade de Quilombo de André Lopes
    • Comunidade de Quilombo de Pedro Cubas
    • Comunidade de Quilombo de Praia Grande
    • Comunidade de Quilombo de Nhunguara
    • Comunidade de Quilombo de São Pedro
    • Comunidade de Quilombo de Pedro Cubas
    • Comunidade de Quilombo de Pilões

Organização Econômica:

As comunidades de quilombo do Vale do Ribeira praticam uma economia que se assenta na mão-de-obra familiar e está orientada prioritariamente para a satisfação das necessidades do grupo doméstico.

Seu sistema produtivo se sustenta basicamente nas atividades agrícolas e extrativistas. No entanto, muitas vezes os quilombolas também realizam trabalho assalariado nas plantações dos grandes proprietários de terras locais ou em centros urbanos, para poderem complementar a renda familiar e adquirir alguns bens e utensílios diversos não produzidos localmente.

Hoje na região há uma série de projetos e ações de geração de renda e manejo sustentável de recursos naturais colhendo resultados positivos.

O investimento público em parques, estradas e roteiros, por sinal, comprova que o ecoturismo e o turismo de aventura são apostas dos governos estadual e federal para a região. Em novembro de 2005, por exemplo, o governo de São Paulo conseguiu um empréstimo de R$ 20 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para investimento no setor. Como contrapartida, se comprometeu a aplicar US$ 6 milhões em estratégias voltadas para o crescimento do turismo na região e para a preservação do meio ambiente.

A Parque Aventuras apoio o Circuito Quilombola. Projeto que visa fortalecer o turismo nas comunidades quilombolas do Vale do Ribeira.

Entre 2006 e 2008, em parceira com 14 comunidades quilombolas, o ISA – Instituto Socioambiental realizou a construção da Agenda Socioambiental Quilombola do Vale do Ribeira.

Neste processo, ocorreram oficinas temáticas onde foram trabalhados temas como: organização e fortalecimento comunitário, legislação ambiental, cultura, artesanato tradicional, manejo de recursos florestais, saneamento, manejo de lixo, turismo e cuidados com os agrotóxicos.

 

No final do processo resultou em uma publicação que expõe um diagnóstico de cada comunidade envolvida e suas principais demandas para projetos e políticas públicas.

Dentre as demandas apresentadas pelas comunidades, a melhoria da atividade turística foi destacada por 06 comunidades que serão atendidas por esta proposta.

O projeto vai buscar fomentar o potencial turístico existente com a riqueza da sociobiodiversidade do Vale do Ribeira e fortalecer as ações entre as comunidades, potencializando outras iniciativas como o fandango, as festas locais, a produção familiar, o mel, a farinha de mandioca, o arroz, feijão, típicos da cultura local.

O projeto beneficiou seis comunidades diretamente: André Lopes, Mandira, Sapatu, Pedro Cubas, Ivaporunduva e São Pedro, que já desenvolvem atividades turísticas com visitas de alunos para estudo do meio, pesquisas cientificas, visitação nos Parques Estaduais e participação em festas típicas das comunidades.

A Parque Aventuras desenvolve atividades de Turismo de Base Comunitária em 06 comunidades: Ivaporunduva, André Lopes, Nhunguara, Pilões, Praia Grande e Bombas.

Mais informações sobre as comunidades quilombolas em: www.petaronline.com.br/quilombos.htm

Reserva Betary

Reserva Betary preserva 60 hectares de Mata Atlântica

Reserva particular em Iporanga (SP) abriga centro de estudos que monitora de perto a biodiversidade da floresta tropical

Apenas 7% da área original da Mata Atlântica ainda permanece de pé. Mesmo assim, a riqueza da sua biodiversidade impressiona: seus remanescentes contam com mais espécies vegetais do que toda a América do Norte. Uma amostra dessa fauna e flora exuberante é observada de perto no Centro de Estudos da Biodiversidade (CEB). O Centro está localizado na Reserva Betary, uma área preservada de 60 hectares, em Iporanga (SP), há 330 km de São Paulo e 190 km de Curitiba.
O local é destinado à pesquisa e ao ensino sobre a Mata Atlântica e seus segredos, além de comportar a atividade turística.

Cogumelos bioluminescentes, plantas ornamentais, uma imensidão de anfíbios, tudo isso e muito mais pode ser observado a partir da infraestrutura do CEB, que conta com sala escura, estufa, lago com cinco janelas submersas, aquários, laboratório com biotério (espaço para criação de animais), sala de aula, área de convivência e cafeteria. Algumas trilhas permitem usufruir da natureza no perímetro da reserva. O espaço oferece, mediante agendamento, visitas noturnas que permitem a observação da intensa atividade da fauna durante a noite.

A Reserva Betary está localizada a 10 km do Quiosque da Parque Aventuras

Monitoramento

Um sistema de registro de fotos e vídeos expõe imagens inéditas do comportamento dos animais silvestres. O acervo do CEB conta com mais de 5 mil fotos e centenas de vídeos que registram os hábitos e comportamentos das plantas, fungos, insetos, mamíferos, aves, anfíbios, peixes, entre outras espécies encontradas na Reserva Betary. Produzidas sob luz natural ou infravermelha (durante a noite), cada imagem de alta resolução é identificada segundo a família, gênero e espécie da fauna ou flora, além de situar as paisagens e ambientes característicos de cada ecossistema.

Alguns animais são monitorados ao vivo. Uma das pesquisas desenvolvidas no CEB, é o levantamento das espécies de mamíferos da Reserva Betary, por meio de armadilha fotográfica. Outros projetos de pesquisa:

    • Diversidade e Biologia de Anfíbios em uma área de Mata Atlântica em Iporanga
    • Estudo da biologia e reprodução de peixes de riachos da Mata Atlântica
    • Introdução ao cultivo de espécies ornamentais da Mata Atlântica
    • Interferência da Perda Parcial da Cauda no Desenvolvimento de Girinos de Dendropsophus elegans
    • Levantamento de fungos Bioluminescentes da Reserva Betary, Iporanga-SP
    • Levantamento de Anfíbios Anuros da região urbana de Iporanga-SP

Visitação

A Parque Aventuras leva você para conhecer esse maravilhoso centro de estudos. Confira as nossas programações com atividades diurnas e noturnas.

Conheça a Reserva Betary:

    • Laboratório e Biotério – Equipado com lupa e microscópio de imagem digital, possui aquários e terrários destinados à observação e pesquisa de pequenos animais da Mata Atlântica, além de caixas para a criação de insetos e outros organismos destinados à alimentação viva de peixes e anfíbios.
    • Aquário – Instalado em um lago artificial com cerca de 500m², apresenta cinco ambientes aquáticos que podem ser observados por janelas submersas. Há ainda três outros aquários destinados a pesquisas científicas.
    • Estufa de anfíbios e bromeliário – Espaço de 600m² que contém ambientes similares aos encontrados na natureza. Abriga plantas típicas da Mata Atlântica, com ambientes aquáticos e de brejos. Há ainda um local para germinação de sementes e produção e mudas.
    • Sala escura – Destinada à observação da luminescência de organismos e minerais, e cultivo dos cogumelos brilhantes da região.
    • Sala de aula – Espaço climatizado, com capacidade para até 40 alunos. É equipada com sistema audiovisual e projetor digital.
    • Área de convivência – Área de sala e varanda, que abriga grupos de até 60 pessoas. Comporta também pequenas exposições.
    • Acervo – O CEB possui um pequeno acervo bibliográfico e de revistas de divulgação científica, além de documentários em DVD e cursos em multimídia, para consulta no local. Publicações da Editora Neotrópica estão à venda no CEB.
    • Loja de plantas – Dispõe de espécies de plantas ornamentais cultivadas na Reserva Betary.
    • Rio Betari – Nasce do alto da Serra do Mar e deságua no Rio Ribeira de Iguape (SP). Na Reserva Betary, o rio estende-se por mais de 800 metros.
    • Trilha do Poço dos Veados – Percurso de 190m em terreno plano. Leva a um local de banho do Rio Betari, onde a paisagem é exuberante e frequentemente se observam rastros de lontras que vivem no rio.
    • Trilha do Rio Betari – Trajeto de 650m em terreno plano. Acompanha a margem direita do rio, contornando uma parte do CEB.
    • Caminhos de Bombas – Trilhas que atravessam a reserva. Uma delas tem 6km de extensão e dá acesso à comunidade tradicional do Quilombo de Bombas de Baixo. A outra leva ao Quilombo de Bombas de Cima, situado há 12km da sede do CEB.

Para mais informações sobre a Reserva Betary e saber como levar seus alunos para conhecerem esse magnifico local entre em contato conosco: info@parqueaventuras.com.br

Caverna do Diabo

O Parque Estadual da Caverna do Diabo está inserido no Mosaico de Jacupiranga – com mais de 10 Unidades de Conservação e com uma área de 150 mil hectares. O seu relevo é formado por montanhas que chegam à até 1300 metros de altitude.

A vegetação é de Mata Atlântica, chegando a ter em alguns pontos, restingas e até mesmo manguezais.
Assim como o PETAR, abriga uma imensa quantidade de cavernas, como a Caverna da Tapagem, mais conhecida como ‘Caverna do Diabo’ e algumas cachoeiras e trilhas.

Sua fauna está representada por diversas espécies de mamíferos, como o Mico-Leão-Caiçara (Leontopithecus caissara), uma espécie de primata só há pouco descoberto, além de outras ameaçadas de extinção, como o Mono-Carvoeiro (Brachyteles arachnoides), a Lontra (Lutra longicaudis) e a Jaguatirica (Leopardus pardalis). Dentre as aves nas mesmas condições de ameça de extinção, está o Papagaio-de-Peito-Roxo (Amazona vinacea).

O Parque Estadual da Caverna do Diabo está localizado
nos municípios de Eldorado e Barra do Turvo, Estado de São Paulo. O custo do ingresso para visitar o parque é de R$ 15,00 por pessoa.

A sede do parque é no Centro da Cidade de Eldorado.

Continuum da Mata Atlântica

A região sul do Estado de SP é denominada Continuum Ecológico de Paranapiacaba e faz limites com duas regiões metropolitanas: São Paulo e Baixada Santista, além da Região Metropolitana de Curitiba. Razões históricas e biogeográficas fizeram com que este contínuo permanecesse relativamente excluído dos processos de desenvolvimento econômico e urbanização ocorridos no Estado de São Paulo e que representasse, no momento atual, o maior remanescente de Mata Atlântica do Brasil.
O Continuum é uma rica região composta por diversas Unidades de Conservação: PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira), Intervales, Carlos Botelho, Caverna do Diabo e Ilha do Cardoso (Mosaico de Jacupiranga); formando um imenso corredor ecológico superimportante para a conservação da vida animal e vegetal com mais de 120.000 ha.

A Parque Aventuras apresenta e leva você para conhecer
esses refúgios da biodiversidade.

Restaram da Mata Atlântica original apenas 7% em toda a costa brasileira.
No Continuum da Mata Atlântica ficaram mais de 5%.

Mapas

Confira no mapa abaixo os principais pontos turísticos da região:


Visualizar Mapa Site Parque Aventuras Destinos em um mapa maior